terça-feira, 30 de abril de 2013

SOCIEDADE

A Corte 
Os poucos informes sobre a vida na corte real testemunham que a corte parece ser uma celebração do poder do Império Aquemênida: é o lugar onde o rei vive com sua família e parentes. É também onde os nobres devem residir, onde são tomadas decisões administrativas e políticas, onde os sátrapas são chamados ou recebidos. O rei aquemênida se move periodicamente entre as várias residências reais acompanhado pela corte e os seus vários serviços. Ao viajar, o rei vive em uma tenda muito luxuosa erguida no meio do campo e ornada com símbolos distintivos de sua realeza. A vida na corte real parece ser governada por regras de etiqueta muito rígidas. O Rei está rodeado por altos funcionários da corte, encarregados de lidar com os mais diversos assuntos e se reportar a ele diretamente. Uma grande equipe também é responsável pelo atendimento das audiências. De fato, os peticionários e suplicantes vêm à porta do rei. Esses visitantes transmitem suas mensagens para os guardas ou emissários, e são recebidos diante do rei quando convocados. Qualquer um se aproximar do rei sem ser chamado é condenado à morte. Isso é bem testemunhado do pelo relato do livro de Ester que se passa dentro do contexto da corte aquemênida: “Todos os servos do rei e o povo das províncias do rei sabem que, para qualquer homem ou mulher que, sem ser chamado, entrar no pátio interior para avistar-se com o rei, não há senão uma sentença, a de morte, salvo se o rei estender para ele o cetro de ouro, para que viva; e eu, nestes trinta dias, não fui chamada para entrar ao rei” (Ester 4.11).
Audience scene
Reconstituição de episódio da corte persa a partir dos relevos de Persépolis
O rei geralmente tomava suas refeições sozinho por razões de segurança. Em banquetes, os convidados são cuidadosamente escolhidos, tanto para testemunhar os favores do rei como para garantir sua segurança. Autores gregos ficaram muito impressionados pelo luxo e pela pompa dos banquetes da corte. Heródoto (484 – 425 a.C.) em sua obra História menciona que os persas eram dados a festas de aniversário, nas quais haviam muitas sobremesas, um costume que Heródoto reprovou aos gregos por não tê-lo em suas refeições. Ele também observou que os persas bebiam muito vinho e mesmo bêbados se aconselhavam e deliberavam sobre assuntos importantes, mas decidiam no dia seguinte, quando sóbrios, como agiriam ou não sobre o deliberado. Os alimentos e víveres do rei são transportados separadamente, como os Imortais (elite persa da guarda real), tendo a função de mordomo grande importância. O judeu Neemias era copeiro do rei (Neemias 1:11) função de grande confiança e responsabilidade já que provava as bebidas do rei antes de oferecê-las ao monarca.
William Brassey Hole:Nehemiah makes his petition to Artaxerxes
Neemias como copeiro do rei persa
por William Brassey Hole (1846-1917)
Os médicos também desempenham um papel importante na comitiva real. Próximos do rei como o mordomo, é fácil para eles para envenenarem o monarca. Estas funções são, portanto, destinadas a pessoas de sua confiança. Os médicos reais são principalmente grega e egípcia. O serviço do rei e princesas reais exige inúmeros eunucos. Seu papel é cuidar de câmara do rei e das princesas. Eles são normalmente originários dos países submetidos, e o seu status é semelhante ao de escravo, embora a sua intimidade com o rei lhes de um estatuto especial. Muitos autores antigos dizem-nos que o rei, e outros personagens, praticam a poligamia e têm muitas concubinas. As rainhas e princesas, e todas as mulheres em geral têm apartamentos privados. Concubinas vivem em uma "casa de mulheres", depois de passar uma noite com o Grande Rei e permanecer com ele. Deve-se, todavia, evitar a transposição do harém como visto na corte otomana pelos europeus para a corte aquemênida. As princesas têm maior autonomia, como evidenciado pelos tabletes de Persépolis. Eles também gerenciam sua terra, sua casa, ou suas oficinas. A caça é, provavelmente, o passatempo favorito dos reis. Ela apresenta a vantagem de ser uma boa preparação física para o nobre jovem, e um evento em que ele pode mostrar a sua coragem, habilidade e poder. A caça é praticada nos pairidaeza (de onde vem nossa palavra paraíso, que significa literalmente “lugar cercado”), isto é, grandes parques de área cercada. Estes jardins são lugares de descanso e lazer, organizadas por horticultores, e enormes reservas de caça.
Pórtico norte do alojamento da rainha em Persépolis

A Aristocracia
Sociedade persa é muito hierárquica, organizada em torno de famílias aristocráticas, cada uma encabeçada por um chefe de família e o rei é o chefe de todos. Os homens dessas famílias ocupam os mais altos cargos na administração da corte real, nas satrápias e no exército. Eles são de fato os principais beneficiários da riqueza acumulada pelo império, porque eles controlam o fluxo e desfrutam de prioridade na generosidade dos reis, embora esta posição pode ser precária. Esses personagens estão ligados por laços de sangue ancestral reforçados por alianças matrimoniais, formando uma grande "família" que preside o destino do império. Os mais poderosos, incluindo o rei e os sátrapas, ligam-se pessoalmente com outros aristocratas que se tornam sua bandaka, termo complexo que envolve submissão e lealdade e repressão implacável à traição. Em seus métodos de saudação, afirma Heródoto, que o beijo na boca era dado entre iguais; nas pessoas com alguma diferença de classe o beijo era na bochecha e as classes mais baixas se prostravam no chão para membros das classes superiores. Abaixo, ilustração de estrangeiros se prostrando ante o Grande Rei.
No topo do império, a relação entre o rei e a elite é complexa, baseada na integração de grandes famílias na hierarquia real e na captação dos lucros do império em troca de sua lealdade, e também em uma cultura comum (especialmente com base na língua, na religião, na educação aristocrática) que nunca procurou se estender a outras pessoas. Este sistema tem se mostrado muito resistente e forte, apesar de vários choques. Várias fontes escritas fornecem informações sobre a educação dos jovens aristocratas persas, que lhes dá o background cultural de "classe étnica dominante”. Embora a educação seja, em princípio, aberta a todos os persas, as crianças das classes trabalhadoras permanecem fora desse sistema, que é reservado para a elite. Mesmo as melhores famílias enviam seus filhos para serem educados na corte real para melhor prepará-los para exercer funções administrativas e militares de alta categoria, de modo a tornarem-se fiéis servos do rei. De acordo com os textos conhecidos, parece que a educação de jovens nobres aquemênidas começava aos cinco anos e tem a duração de dez a vinte anos, dependendo das fontes. Estrabão diz que os jovens se exercitavam na academia, treinavam com arco, flecha, lança e funda, e aprendiam a plantar árvores, coletar plantas e fazer roupas e redes. Xenofonte relata que a educação também incluía uma parte para desenvolver seu senso de justiça, obediência, paciência e auto-controle; Heródoto afirma que eles aprendiam a "falar a verdade"
Ilustração de aristocratas persas

Ética e Costumes
O Império da Pérsia, que no auge do seu poder tinha mais de 23 nações sob o seu controle, primava por constituir-se sobre os princípios básicos da verdade e da justiça, princípios que norteavam a cultura aquemênida. Com base, conforme a evidência disponível, na doutrina de Zaratustra (Zoroastro), que tinha forte ênfase na honestidade e integridade, os Aquemênidas tinham credibilidade diante dos antigos persas para governar o mundo, mesmo aos olhos das pessoas pertencentes às nações conquistadas (exceto pelas rebeliões frequentes de jônios, citas, egípcios que resistiam a imposição de uma soberania estrangeira). A tolerância dos Aquemênidas para com a cultura e religião dos povos conquistados (ilustrada na libertação dos judeus do exílio na Babilônia) também contribuíram para a contínua aceitação de sua soberania. Abaixo ilustração de Gustave Doré retratando o rei Ciro II da Pérsia devolvendo os vasos do templo de Jerusalém aos judeus.

Dizer a verdade era um dos princípios da Pérsia aquemênida; o dito “verdade pelo bem da verdade” foi o mote universal e o cerne da cultura da Pérsia, que foi seguido não apenas pelos grandes reis, mas mesmo os persas comuns, que faziam questão de aderir a este código de conduta. Indícios arqueológicos em Persépolis evidenciam o amor da sociedade aquemênida pela verdade. Nesses indícios, 72 destes nomes de funcionários públicos e trabalhadores comuns contêm a palavra 'verdade' (arta em persa antigo). Durante seu reinado Dario, o Grande, decretou a Ordenança das Boas Normativas abordando a luta constante contra a mentira. Reza parte do texto: "Eu não fui um seguidor da mentira. Eu não fiz o mal ... De acordo com o bem me comportei. Nem aos fracos nem aos poderosos fiz mal. Ao homem que me ajudou com minha casa, recompensei bem; aquele que me feriu, puni bem." A mentira, druj, era considerada um pecado capital e era punida com a morte em alguns casos extremos. É sabido que os alto dignitários praticavam a poligamia e que os reis aquemênidas tinham mais de uma consorte, embora tivessem uma rainha principal. É debatido, desde a Antiguidade, se os persas adotavam certo grau de homossexualismo, principalmente se os reis e nobres praticavam a pederastia.


Idiomas
Durante o reinado de Ciro II (559 – 530) e de Dario I (522 – 486), a sede do governo era em Susa no Elam e o idioma oficial da corte era o elamita, embora o persa antigo não tenha sido de todo esquecido, principalmente no oeste do Irã. Evidências arqueológicas testemunham textos elamitas acompanhados de traduções em persa e acadiano. É provável, portanto, que embora o elamita tenha sido usado pelo governo central em Susa, não era uma linguagem padronizada do governo em todo o império. O uso do elamita não é atestado após 458 a.C. Por fim o aramaico como falado na Mesopotâmia, se não se tornou a língua estatal, tornou-se a língua franca do Império Aquemênida tal qual o inglês modernamente. O uso do aramaico como língua franca do império permitiu sua maior unidade, embora convivesse com os vários idiomas e dialetos dos povos dominados. A Inscrição de Behistun de Dario I foi escrita em persa antigo, acadiano e elamita. Essas inscrições em várias línguas permitiram aos estudiosos decifrarem a antiga escrita cuneiforme da Mesopotâmia. 
File:Inscription of Xerxes, Van, 1973.JPG
Inscrição trilíngue de Xerxes I em Van, Turquia:
persa, acadiano e elamita

Religião
Foi durante o período dos Aquemênidas que o zoroastrismo atingiu o sudoeste do Irã, onde veio a ser aceito pelos governantes e através deles se tornou um elemento integrante da cultura persa. Essa religião deriva-se dos ensinos de Zaratustra, profeta persa do século VII a.C., também conhecido como Zoroastro. O zoroastrismo trouxe uma formalização dos conceitos e das divindades tradicionais do panteão indo-iraniano bem como introduziu novas idéias, incluindo a do livre-arbítrio. De acordo com historiadores da religião, algumas das suas concepções religiosas, como a crença no paraíso, na ressurreição, no juízo final e na vinda de um messias, viriam a influenciar o judaísmo, o cristianismo e o islamismo. Tem seus fundamentos fixados no Avesta e tem duas divindades principais (dualismo), representando o Bem (Ahura-Mazda) e o Mal (Arimã), de cuja luta venceria o Bem. Segundo a evidência disponível, mas não conclusiva, sob o patrocínio dos reis da Pérsia que o tornaram religião da corte (mas não imposta aos súditos), o zoroastrismo atingiu todos os cantos do Império (Para maior esclarecimento do Zoroastrismo no período aquemênida veja-se http://www.livius.org/ag-ai/ahuramazda/ahuramazda.html. Abaixo ilustração do Faravahar, símbolo do zoroastrismo, que representa o estado da alma antes do nascimento e depois da morte.
Durante o reinado de Artaxerxes I e Dario II, Heródoto escreveu que os persas não tinham imagens dos deuses, nem templos, nem altares e consideravam o uso desses mecanismos religiosos como algum sinal de desatino, embora reverenciassem como divindades (yazatas) o sol, a lua, a terra, o fogo, a água e os ventos. Heródoto acreditava que tal postura se devia ao fato dos persas imaginarem a natureza divina diversa da humana, o que contrasta com o pensamento mitológico grego. Beroso, sacerdote e estudioso babilônico do século III a.C., registra que Artaxerxes II foi o primeiro rei aquemênida a fazer estátuas das divindades e tê-las colocado em templos em muitas das principais cidades do Império. Beroso também testifica junto com Heródoto, que os persas não tinham imagens de deuses até que Artaxerxes II erigiu essas imagens. Heródoto também observou que "nenhuma oração ou oferta pode ser feita sem a presença de um mago", mas isso não deve ser confundido com o que hoje é compreendido pelo termo ‘mago’, que vem do persa magupat e designava um sacerdote do Zoroastrismo.
File:Persepolis - carved Faravahar.JPG
Representação de Ahura Mazda, deus supremo dos Aquemênidas
Os magos, que eram na verdade de origem meda, tinham um sacerdócio hereditário e eram responsáveis por todos os rituais e cultos religiosos. Casavam dentro do seu grupo e expunham os corpos dos mortos às aves de rapina, duas práticas que viriam a ser adotadas pelos zoroastrianos. Porém, os cadáveres dos reis não tinham esses destino sendo antes enterrados e com esplendor. Se debate, portanto, o grau de zoroastrismo praticado no Império Aquemênida. Os sacerdotes recuperam os antigos sacrifícios e o uso do haoma (planta sagrada). Os Amesha Spentas, inicialmente extratos do pensamento de Zaratustra, foram personalizados e antigas divindades passaram a ser adoradas. O livro sagrado é o Avesta que data de 500 a.C. A base do Avesta é um conjunto de hinos (ou gathas) que falam do deus criador Ahura Mazda e inclui:
Yasna: liturgia
Khorda Avesta: preces comuns
Visperad: liturgia
Vendidad: mitos, observâncias religiosas.
Essencial à compreensão da religião persa zoroástrica é o dualismo: a eterna luta do bem, representado pelo deus Ahura Mazda, contra o mal, representado por Arimã. É uma religião henoteísta, isto é, reconhece a existência de outros deuses, mas venera somente a um. Durante este período foi também criado o calendário zoroastriano e desenvolveu-se o conceito do Saoshyant, segundo o qual um descendente de Zarastustra, nascido de uma virgem, viria para salvar o mundo.

FONTES:
http://fr.wikipedia.org/wiki/Ach%C3%A9m%C3%A9nides
http://persianthings.wordpress.com/2013/02/07/the-royal-court-in-achaemenid-persia-a-few-thoughts/
http://www.1st-art-gallery.com/William-Brassey-Hole/Nehemiah-Makes-His-Petition-To-Artaxerxes.html
http://www.livius.org/pen-pg/persepolis/persepolis_queen.html
http://es.wikipedia.org/wiki/Dinastía_Aqueménida http://pt.wikipedia.org/wiki/Império_Aquemênida http://www.juserve.de/rodrigo/atlas%20historico/atlas%20historico.html http://arteshe-iran.blogspot.com/2008/12/flags-of-iran.html http://en.wikipedia.org/wiki/Shah http://oi.uchicago.edu/gallery/pa_iran_paai_per_hx/index.php/4E2_300dpi.png?action=big&size=original http://www.heritage-history.com/www/heritage.php?R_menu=OFF&Dir=characters&FileName=themistocles.php http://pt.wikipedia.org/wiki/Avesta
http://pt.wikipedia.org/wiki/Zoroastrismo#A_.C3.A9poca_aquem.C3.A9nida
http://pt.wikipedia.org/wiki/Imp%C3%A9rio_Aquem%C3%AAnida

Nenhum comentário:

Postar um comentário